Blog

Vermicompostagem: Como Evitar o Uso de Adubos Químicos

vermicompostagem

Já parou para pensar nos riscos causados pelo uso de fertilizantes químicos em uma plantação? Quer um solo mais rico em nutrientes e saudável? A vermicompostagem é a maneira mais fácil de ter um adubo natural e muito nutritivo para as plantas.

O solo ideal para uma plantação deve ter uma boa camada de matéria orgânica, ou seja, deve ser rico de húmus. E o que é isso? Húmus é a matéria orgânica depositada no solo, derivada da decomposição de animais, plantas mortas ou produzida por minhocas. Para que haja esse enriquecimento do solo é preciso fazer a adubação. Estes adubos podem ser orgânicos ou químicos.

adubo
Adubos Químicos

Estes adubos são extraídos de minerais ou derivados de petróleo, como os fosfatos, os carbonatos e os cloretos. Por isso, esta é a opção escolhida por quem quer um resultado, e consequentemente, uma absorção mais rápida.

Adubos Orgânicos

Já os adubos orgânicos são obtidos por meio de matéria de origem vegetal ou animal, como esterco, bagaços, cascas e restos de vegetais, decompostos ou ainda em estágio de decomposição. São produzidos pelo homem por meio da compostagem ou da vermicompostagem.

Contudo, apesar dos adubos sintéticos darem, em curto prazo, vantagens como: alimentos maiores, produção mais acelerada e, consequentemente, uma maior produtividade, podem gerar alimentos menos saborosos, com baixo teor de vitaminas e sais, e impregnados de resíduos venenosos. Além de causarem a lixiviação do solo, estes fertilizantes são levados pelas águas das chuvas e irrigações, indo para lagoas, rios e lençóis freáticos. Causando a poluição deste e a eutrofização – que é a morte de um rio ou lago por asfixia, por conta da alta quantidade de nutrientes.

adubos químicos em morangos

Deste modo, é importante da preferência a adubos naturais e orgânicos, que não agridam o meio ambiente e que deixem a produção mais saudável, trazendo maiores ganhos na hora da sua comercialização. Por isso, a vermicompostagem é uma aliada do homem para se ter um adubo mais rico em nutrientes e um maior custo benefício na venda da produção.

A vermicompostagem é um tipo de compostagem que utiliza minhocas além dos micro-organismos naturais para degradar a matéria orgânica. O processo ocorre mais rápido que a compostagem comum e produz como substrato o húmus de minhoca. Este é um adubo rico em nutrientes e ideal para as plantas. A produção deste fertilizante orgânico tem um custo relativamente baixo e é possível ser feito sem dificuldade pelo produtor rural.

Como fazer um Vermicompostor

Também conhecido como minhocultura, a vermicompostagem requer boa disponibilidade de resíduos orgânicos na propriedade ou o mais próximo possível dela. Em uma propriedade agrícola, o esterco bovino é o mais utilizado por ser de fácil manuseio e as minhocas de adaptarem muito bem a ele. Porém, esterco de cavalo e de coelho também podem ser utilizados. Além de resto de resíduos domésticos e resíduos de vegetais como: capim, leguminoses e folhas.

Minhocas

As espécies de minhocas mais utilizadas no Brasil são as Ensenia fétida e a Ensenia andrei, conhecidas como “vermelha da Califórnia” e “noturna africana”, respectivamente. A vermelha da Califórnia é menor e permanece no canteiro mesmo da escassez de alimento. A noturna africana atinge tamanho maior, mas por ser mais adaptada a escavação, foge com mais facilidade. Fica a critério do produtor a preferência por uma ou outra.

minhoca
Preparo dos resíduos

Os canteiros da vermicompostagem podem ser de alvenaria, concreto ou bambu. Porém, antes da montagem destes canteiros é necessário preparar os resíduos orgânicos. Por serem ricas em nitrogênio é indicado para a forragem a utilização de capim e leguminosas picados. A proporção é de 25% de bagaço, 25% de leguminosas e 50% de esterco bovino. Obtendo um vermicomposto 30% mais ricos em nutrientes.

O esterco deve ser pré compostado, controlando a temperatura para alcançar em torno de 25°C. Este reviramento diário do esterco pode levar de 15 a 20 dias. É desejável que faça esta etapa para que não ocorra o crescimento de plantas espontâneas no local.

Após está fase, os resíduos orgânicos são colocados no canteiro escolhido até que atinja 10 cm de altura. Em seguida as minhocas são colocadas, e a cada uma semana mais uma camada de 10 cm da mistura deve ser colocada. Este processo deve ser repetido até que o canteiro atinja 60 cm de altura. Ao optar por esse tipo de processo as minhocas terão alimento permanentemente, com isto aumentam as chances de completar todo o seu ciclo de reprodução.

esterco para adubo

Após a colocação das minhocas os canteiros devem ser cobertos com Capim Napier ou folhas de bananeira. Isto para proteger as minhocas da luz e manter a umidade dentro do canteiro.

Manejo do Vermicompostor

Os canteiros devem ser molhados com frequência, porém tomando cuidado para não encharcar demais. Quando o vermicomposto apresentar uma aparência de pó de café e as minhocas estiverem lentas e maiores é sinal que está pronto para ser utilizado como adubo.

Deste modo, vermicompostagem é uma opção natural para evitar o uso de adubo químicos na plantação. Assim, a terra ficará mais rica em nutrientes e a produção mais sadia, aumentando seu valor aquisitivo na hora da sua venda.

Quer ter uma vermicompostagem em sua propriedade? A Agrha Consultoria realiza projetos de manejo agrícola altamente personalizados para as suas necessidades. Veja o nosso portfólio e entre em contato com a gente!

Para ficar por dentro de novos conteúdos e informações importantes acerca desse tipo de assunto, acompanhe o nosso Instagram, ou entre em contato através do nosso e-mail marketing@agrha.com e agende uma conversa conosco!

Está gostando do conteúdo? Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Preparado para a mudança?

Rua Passo da Pátria, n° 156 - Sala 452 Bloco D
São Domingos - Niterói - RJ

(21) 97253-6974

A Agrha Consultoria é uma instituição
SEM FINS LUCRATIVOS

Copyright © 2020 Agrha Consultoria